O grande Dia



E como colocar em palavras o que se sentiu no melhor show de Maria Gadú? 

Vamos contar um pouquinho de como tudo aconteceu...
O show já começou logo pela manhã, num encontro de fãs de várias partes do Brasil na fila do Credicard. Quando começamos a conversar já dava pra perceber que o show seria digno e inesquecível. Tem que ter muito amor e muito bom humor pra agüentar dez horas numa fila, embaixo de sol e sem nenhum conforto. Mas o que nós não fazemos pela Maria?
A companhia das meninas foi ótima, nosso repertório foi de Mamonas à Maria Gadú, de Maria Gadú a Leandro e Leonardo. E claro, passando porMeio Ambiente, que pode ser considerada fácil a trilha sonora da espera por ser uma poesia linda.
Quanto mais a noite se aproximava mais a ansiedade de todos aumentava. O cansaço já estava chegando para muita gente, mas ninguém, por hipótese alguma, queria sair dali. Eis que a noite cai e a abertura dos portões se aproxima... Os últimos minutos são, com certeza, os piores, parece uma eternidade.
Autorizada a entrada no Credicard Hall, começamos a nos acomodar em meio aquela multidão que está na pista. Calor. Cansaço. Pessoas. Muitas pessoas. Aperto. Ansiedade. Mais calor. Muitas pessoas. Espera. Atraso. Ansiedade. Teste de luzes. Gritos. Maria eu te amo. Muitas pessoas. Mais calor ainda. Espera. Ansiedade. Sandy na platéia. Espera. Cansaço. Amor. Luzes apagadas. É agora!
Ela entra linda, num macacão cinza, sapatos brancos, um casaco preto de bolinhas brancas, e um sorriso lindo. Só isso já bastava para aquela multidão se acalmar, e então ela começa “Sai de si, vem curar teu mal...”agora sim, aquela espera de dez horas na fila fazia todo sentido. Por ela vale a pena.
Maria testa o público “e a distância traz nosso amanhecer...” e o público responde em coro “deixa estar que o que for pra ser vigora...”. Gritos. Sorrisos. Choros. Emoção. O show continua lindo, como sempre, mas com um toque a mais por saber que aquele momento estava sendo eternizado não só na memória de cada um que estava ali, mas para todos que quisessem ver mais tarde.
Pelos sorrisos e olhares de Gadú dava pra notar que ela estava impressionada! E muito feliz. É chegada a hora das surpresas tão esperadas.
“De todo amor que eu tenho...” era hora dela, Dona Cila, e no telão o clipe. Lágrimas. Muitas lagrimas. Era quase impossível não se emocionar vendo Maria no telão com os olhos cheios d’água.
Caio Soh vem para colorir, como disse Maria. Enquanto ela canta Altar Particular e Maycon ministra a orquestra ele escreve uma poesia em uma espécie de quadro gigante. Maria ainda dividiu o palco com Luiz Murá e depois com Dani Black cantando Aurora.
Com os Varandistas, Gadú sentiu-se em casa, lá estavam Luis Kiari, Gugu Peixoto, Caio Soh, Tomaz Lenz, Áureo Gaudur, Fred Sommer e Leandro Léo, cantou com eles Culpa e depois, do sofá eles assistiram Maria e Kiari cantarem Quando fui chuva. Maria se juntou aos amigos no sofá e de lá assistiram o pequeno Léo cantar João de Barro.
Léo e Gadú também cantaram os clássicos Linda rosa e Laranja. Lindos sempre. Maria continua seu show, com seu repertório de sempre e maisQuase sem querer de Renato Russo. Rolou também um “papelão”, como ela mesmo disse, em Who knew. Maria errou a letra e foi aplaudida. Gritos de “Gadú eu te amo!” respondidos com um “Gente, para...”
O fim do show vai se aproximando, mas ninguém quer sair dali. Ninguém quer o fim. O calor e o cansaço ainda fazem parte de vários corpos. Muita gente já havia desmaiado na pista e Maria assustada, parava e pedia “Gente, ela tá passando mal, ajuda ali”.
É a hora de fazer a pausa pro bis, todos saem do palco e alguns minutos depois o Credicard Hall em peso começa “esse turu turu turu aqui dentro...” já no meio da música embalada por palmas Maria volta ao palco, pega o violão e nos acompanha. Sabendo que Sandy está na platéia ela pede “Cantem pra ela!”. A pista se vira em direção a Sandy e continua a cantar.
Continuamos acompanhando Maria e, de repente, gritos enlouquecidos! Sandy no palco, Maria se vira e a abraça sem acreditar. Sandy só diz “Eu não queria que ela parasse...” a platéia responde “Canta! Canta!”.
Aplausos. Muitos aplausos. Nós fãs de Maria vemos ela como fã no palco. No final da música Sandy comenta “Tá lindo né, gente?” e Maria só consegue dizer “Meu Deus do céu!”. Encontro lindo que emocionou muita gente que era fã de Sandy & Junior e hoje é fã de Gadú. Sem explicações.
Depois dessa surpresa, que foi até pra Maria, todos os convidados voltam ao palco ao som de Laranja, Maria agradece a todos e é hora de dar tchau. Com certeza a única parte ruim do show. Mas é necessário.
Um muito obrigada a todos aqueles que nos acompanharam o dia inteiro e dividiram esse momento com a gente.
Agora só nos resta aguardar o lançamento do DVD pra poder viver novamente um pouquinho do que foi esse dia 29 de Julho de 2010.

Inesquecível. Emocionante. Inexplicável.

Publicado no site do Fã Clube Lounge da Gadú Por: Mariana Fernandes


Hoje Dia 26/10/2010 um dia antes do lançamento do DVD no qual as 22:30 irá passar no Canal MultShow a primeira transmisão do dia tão esperado 29/07/2010.
E já estamos todos aqui reunidos novamente só que dessa vez através da internet, todos conectados no Twitter, com a mesma sintonia e emoção desse dia inesquecível. 
Com uma saudade incondicional ao ponto de não encontrarmos palavras em nosso vocabulário para expressar o tamanho da alegria e ansiedade que cada um esta sentindo nesse axato momento.
Sabemos que daqui 11hs e 36min aproximadamente estaremos todos emocionados, revivendo a cada o que vivemos no dia do Show, porém agora com muita mais emoção, pois não podemos reunir todo mundo novamente para estarmos todos sentados em frente a uma Tv e poder transmitir calorosamente toda a emoção, carinho e ate mesmo amor por essas pessoas que entraram em nossas vidas com um único objetivo que é demonstrar o amor incondicional e sem explicação que sentimos pela nossa Diva Maria Gadu.

Um pouco de como foi esse dias Maravilhoso!!!